Em dezembro de 1968, o Professor Toscano Rico, o então Presidente da Faculdade de Medicina do Instituto de Farmacologia da Universidade de Lisboa, convocou uma reunião com o intuito de juntar todos aqueles - e eram muito poucos - que se chamavam farmacologistas, e para lançar a correspondente sociedade científica. 

Devido à suspeita com que o regime político então prevalecente via qualquer tentativa por parte dos cidadãos de se organizarem em associações, mesmo com fins científicos, a Sociedade Portuguesa não foi fundada até 1970, e  apenas realizou a sua primeira Reunião Anual  nesse ano.

Desde então,  a Sociedade tem-se reunido regularmente, com exceção ao ano de 1974, ano da revolução que trouxe condições básicas para o estabelecimento da democracia em Portugal, mas também um período de perseguição política e tumulto académico. 

Desde os seus primórdios, e em obediência aos seus estatutos, a sociedade aceita como membros apenas pessoas cuja actividade principal se baseie nos campos da farmacologia experimental, clínica ou toxicológica, e que publicaram pelo menos dois artigos em revistas internacionais com um sistema de arbitragem. Estes critérios rigorosos mantiveram a Sociedade pequena, mas, no entanto, o número de membros aumentou de 28 para 99 durante as três primeiras décadas da sua existência, assim como o número de comunicações apresentadas na sua Reunião Anual - de 17 em 1970 para 60 em 1998.

Contactos internacionais e intercâmbio também têm sido procurados desde o início, através da presença de oradores  estrangeiros convidados (cuja lista inclui Pieter Van Zwieten, Sir John Vane, David de Wied, K Graeff, Fred Lembeck, K Repke e B Vargaftig, entre outros), bem como através da organização de reuniões conjuntas com outras sociedades farmacológicas. A nossa sociedade já se reuniu quatro vezes com a Sociedade Espanhola, uma vez com os alemães, húngaros e jugoslavos, uma vez com os franceses,  uma vez com  escandinavos e duas vezes com britânicos.

Desde 1977, a Sociedade tem sido um membro da IUPHAR e os seus membros participaram em todos os Congressos Internacionais organizados pela União;  é também  um membro fundador  da Federação Europeia das Sociedades Farmacológicas.  A Sociedade também incentiva a participação dos seus membros em eventos internacionais, e oferece bolsas de viagem. Os resumos das comunicações apresentadas nas suas reuniões são escritos em inglês.

A cooperação com as empresas farmacêuticas é pretendida: elas são aceites como membros associados, participam nas reuniões e  os seus conselheiros médicos muitas vezes apresentam as suas comunicações de farmacologia clínica com a Sociedade. 

A Sociedade coopera com as autoridades de saúde no domínio das políticas de fármacos, especialmente a farmacovigilância, a regulamentação dos ensaios clínicos, e experimentação animal. Esta colaboração institucional é aumentada pela presença dos seus membros nas comissões  de ética, registo de medicamentos novos, recomendações terapêuticas, ensino e educação em saúde.  A Sociedade está consciente das suas responsabilidades e tenta cumpri-las, agindo como um fórum de debate científico, estabelecendo prémios de excelência, a formação de membros mais jovens e concessão de bolsas. O Presidente e os Diretores são eleitos em Assembleia Geral.

(Este texto foi adaptado do texto  escrito pelo Professor Walter Oswald Professor Walter Osswald , ex-presidente da SPF e publicado no Boletim BPS, Primavera 1999 )

 

DMC Firewall is a Joomla Security extension!